Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

Festa das Adiafas e Festival Nacional do Vinho Leve regressam ao Cadaval

Com o final das colheitas, em particular da reconhecida pera «Rocha do Oeste», regressa ao Cadaval a tradicional Festa das Adiafas, certame que volta a reunir, de 8 a 16 de outubro, gastronomia, espetáculos, exposições, colóquios e atividades equestres.

 

 

17351_17351_adiafas_logo geral-site3.JPG.jpg

 

De braço dado com o anual evento, decorre o 15.º Festival Nacional do Vinho Leve – único do país dedicado a esta apreciada bebida de baixo teor alcoólico.

 

O pavilhão municipal, situado junto ao campo da feira do Cadaval, volta a acolher um certame, onde a homenagem às ancestrais tradições rurais se funde com a divulgação e dinamização da atividade económica, nas suas mais diversas valências, salienta o município.

 

O termo “adiafa” significa, precisamente, o tradicional banquete que os antigos proprietários vinhateiros ofereciam, em tempos remotos, aos seus trabalhadores no fim de cada ano de campanha, pretendendo festejar o final das colheitas ou agraciar o ano agrícola. 

 

A passagem para o plural do termo, em 2002, por parte do município, destinou-se a abarcar a celebração de outras “adiafas”, nomeadamente a da colheita frutícola, a par das restantes vertentes da economia local.

 

«O âmbito do certame cresceu, sendo que, anualmente, são muitos os participantes empenhados em mostrar a sua oferta produtiva. Os pavilhões de artesanato e de atividades económicas oferecem, anualmente, exposições de um leque variado de produtos artesanais, bem como de representações do tecido empresarial e institucional», explica a autarquia.

 

A fruticultura e a vitivinicultura continuam, porém, a ser os pilares fundamentais desta peculiar festa, sendo especialmente representadas pela Pera Rocha do Oeste e pelo Vinho Leve da Região de Lisboa, dos quais o Cadaval é um exímio representante, na ótica da produção, comercialização e exportação.

 

Na área vitivinícola, a “Festa das Adiafas” contempla o designado “Festival Nacional do Vinho Leve”, que conta com a participação anual de diversas adegas da região, com prova e venda das respetivas gamas de Vinho Leve – bebida de baixo teor alcoólico, frutada e muito apreciada dentro e fora de portas. 

 

A este nível, destaque-se a cerimónia de entrega dos prémios do Concurso de Vinhos Leves da Região de Lisboa, que este ano atinge a 6ª edição, numa parceria da Câmara Municipal do Cadaval com a Comissão Vitivinícola da Região de Lisboa (CVRL), agendada para domingo, 9 de outubro, pelas 21h30.

 

Economia rural debatida em três espaços de conversa

 

O setor produtivo estará patente não só ao nível da já referida vertente exposicional, mas também através de colóquios sobre temáticas de utilidade agrícola e de promoção da economia rural, a decorrerem no recinto da feira.

 

Nesse sentido, realiza-se dia 9, pelas 18h00, o Colóquio “Vinho e Saúde”, numa organização da CVRL. Segunda-feira, dia 10, pelas 17h00, a festa acolhe o Workshop “Agricultura e Desenvolvimento Rural”, com a presença da Secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Margarida Marques. Por último, na quinta-feira, dia 13, pelas 17h00, acontece a Conferência “Inspeção Obrigatória de Pulverizadores”.

 

O pavilhão de gastronomia e animação contará, uma vez mais, com a presença de vários espaços de restauração, dinamizados por associações locais que incluirão, nas suas ementas, diversos pratos típicos, onde até o ingrediente “Pera Rocha do Oeste” costuma integrar algumas das iguarias presentes. No mesmo local, estarão ainda representadas várias tasquinhas, também elas dinamizadas por coletividades locais, onde não faltarão os habituais petiscos.

 

A angariação de fundos para as coletividades participantes, a par da divulgação dos respetivos projetos comunitários, constitui uma mais-valia desta vertente gastronómica, que tantos visitantes costuma atrair à vila do Cadaval, nesta ocasião.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.