Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

«A Mimosa da Lapa»: petiscos, concertos e tertúlias

«Mercearia, Bicicletas e Cultura». É este o conceito da Mercearia Mimosa da Lapa (Lisboa) que prossegue o sonho de Adão Dantas que fundou o espaço em 1932. Depois de quase 15 anos de portas fechadas, reabriu ao público em Dezembro de 2012, e assume-se hoje como a montra dos melhores produtos tradicionais portugueses. Petiscos, concertos, tertúlias e o gosto por bicicletas são outras vertentes da Mercearia que voltou a animar a Lapa.

 

Mimosa 01.JPG

 

É no «velhinho» e turístico Elétrico 25-E (que percorre os carris lisboetas desde o início do século XX) que chegamos à Lapa. A escolha revelou-se a melhor para chegar ao n.º 92-96 da Rua da Bela Vista à Lapa.

 

O destino do 25 é Campo de Ourique mas saímos um pouco antes, na Rua Buenos Aires à Lapa, depois de embarcarmos cá em baixo, no Bairro de Santos, e enfrentarmos ruas e ruelas íngremes sobre carris.

 

A uns metros da Buenos Aires há uma Mercearia que faz jus à história do bairro, e acompanha, de certa forma, a mesma narrativa que caracteriza o elétrico que nos leva até à Lapa.

 

Na rua da Bela Vista impera a calma e a tranquilidade. São onze da manhã. «Ao final do dia, o rebuliço é maior, quando terminam as aulas nas escolas aqui perto», afirma Júlio Costa, colaborador da Mercearia A Mimosa da Lapa.

 

Quando se entra na loja, a visão assemelha-se à bobina de uma cassete antiga que nos faz recuar aos anos 30 do século passado. O balcão da Mercearia mantém-se intacto, de pedra mármore, o chão é de azulejo hidráulico e toda a loja mantém a traça antiga. 

 

Mimosa 03.JPG

 

«A loja mantém-se o mais fidedigna possível, os móveis também são os mesmos, fizemos pequenas reparações que eram essenciais», explica o nosso interlocutor.

 

A única alteração foi a ampliação do espaço. Nas traseiras da loja, onde antes existia um armazém, há agora uma sala de exposições, concertos e petiscos, que os gerentes da Mercearia Mimosa organizam com frequência.

 

A Mercearia reabriu portas a 11 de dezembro de 2012 pela mão de três amigos que «tinham em comum o gosto pela cultura e bicicletas» e que aliaram os dois conceitos ao negócio dos produtos tradicionais mantendo «a identidade da casa», lançada por Adão Dantas em 1932.

 

Os produtos tradicionais portugueses são «a marca e a essência» da casa. Do Douro ao Alentejo, passando pelas Beiras e acabando nos Açores, não faltam aqui todos os bens essenciais a qualquer família portuguesa.

 

Desde os azeites (incluindo biológicos) às compotas (de morango, pêra com noz e figo), mel e marmelada, rebuçados de ovo de Portalegre, queijos, conservas, pão e enchidos, são muitos os produtos e marcas regionais que povoam «A Mimosa da Lapa».

 

Mas os vinhos, a cerveja artesanal, os chás dos Açores, a flor de sal e as ervas aromáticas também não são esquecidos e têm lugar de destaque nesta montra tradicional portuguesa.

 

Num dos balcões exibe-se ainda o tão conhecido sabão azul, vendido à fatia, e tão usado noutros tempos. Na área da higiene pessoal também há sabonetes, água-de-colónia e espumas de barbear.

 

Mimosa 08.JPG

 

O objetivo, vinca Júlio Costa, passa pela aposta no «pequeno produtor, para fugir às marcas que existem nas grandes superfícies e ajudar também o Interior a escoar o melhor que produz».  

 

Cultura e petiscos

 

Outra das valências da casa é a iniciativa que junta às quintas-feiras, sextas e sábados, artistas plásticos, concertos, tertúlias e petiscos em torno de um «conceito muito próprio».

 

«Uma ideia de origem que queríamos aplicar na Mercearia, sendo que além de querermos chegar a toda a gente, é também outra forma de divulgar o espaço», salienta Júlio Costa.

 

Iniciativas que decorrem na sala que outrora servia de armazém e cujas marcas desse tempo ainda estão bem patentes na sala. «Trata-se de um espaço que, no século passado, era também o local onde pernoitavam os rapazes que entregavam os cabazes dos produtos à Mercearia Fina de Adão Dantas e que, à época, servia toda a cidade. Esses rapazes, que vinham do Interior, dormiam aqui sendo que ainda se podem ver os ganchos dos beliches na parede», recorda o responsável que conta que, recentemente, um desses rapazes, hoje homem, ali se deslocou quando soube da reabertura da loja para «reavivar essas memórias».

 

Hoje o espaço serve de montra de exposições, de petiscos e de concertos, como já foi dito.

 

Mimosa 13.JPG

 

 A um canto, meia dúzia de bicicletas (antigas pasteleiras, como são conhecidas) alinham-se em harmonia, à espera de recuperação. «Uma das outras ideias que temos é o negócio da venda e aluguer de bicicletas», uma iniciativa que decorre do gosto partilhado pelos impulsionadores da renovada Mercearia.

 

«No fundo, é uma espécie de fomento deste gosto, onde os ciclistas podem vir, petiscar e descontrair. A juntar a esta vertente temos também patente alguns exemplares de um jovem criador de Aveiro que produz roupa para ciclistas e que é mais uma oferta à vertente das bicicletas que queremos aprofundar», afirma.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.