Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

Monção acolhe exposição sobre camélias

Nos dias 8 e 9 de abril, as camélias inundam o Cine Teatro João Verde, em Monção, proporcionando um encontro entre admiradores e produtores desta planta aromática e ornamental. Podem participar associações instituições, floristas, viveiristas, produtores de plantas ou fores de corte, empresários em nome individual ou pessoas interessadas pela arte da camélia.

 

Capturar.JPG

 

Um fim de semana onde será realçada a importância do cultivo desta planta, prevendo-se ainda animação musical com “Os Teimosos” e “Vocês do Arreiero”, exposição de pintura e cerâmica artesanal de Patricia Oliveira e Joana Degues e workshop de desenho e técnicas de impressão sobre camélias orientado pelo Ateliê Flor Agreste.

"Miminhos de cortiça" para ver em Sátão

O Posto de Turismo de Sátão situado na Casa da Cultura de Sátão recebe a exposição de artesanato "Miminhos de Cortiça" de 1 a 30 de abril.

 

cortiça.jpg

 

Cristina, Sarah e Ana são três mulheres empreendedoras, que estando numa situação de desemprego, juntaram-se há cerca de quatro anos e resolveram “dar a volta por cima”.

 

A mostra surge numa altura em que a cortiça era o grande produto nacional em evolução e aí foram surgindo ideias de corte e de molde, desenvolvendo trabalhos exclusivos. A partir daí começaram a surgir participações em feiras e exposições.

 

A exposição de artesanato vai estar patente no Posto de Turismo de Sátão situado na Casa da Cultura, no seguinte horário: de terça a sexta-feira das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00 e sábados das 14h00 às 17h00.

No Soajo em busca das Inverneiras

Nas terras de Soajo existe um tipo de povoamento muito típico: as Brandas e as Inverneiras. A Inverneira, como o nome indica, é a aldeia onde a família passa o Inverno. Localizam-se em vales, ou seja, em altitudes baixas. No princípio do Outono, as pessoas descem para a Inverneira permanecendo aí até Março. Nessa altura, sobem para a Branda, onde se fazem as sementeiras e onde se passa a maior parte do ano.

 

trilho_em_busca_das_inverneiras.jpg

 

Contam os mais velhos que estas mudanças eram feitas com grande festa juntando-se várias famílias que partilhavam o mesmo destino.

 

Com aproximadamente 7 km, neste percurso de dificuldade fácil, serão explorados os costumes, os pequenos aglomerados rurais, os ribeiros, a vegetação autóctone e as manadas de bovinos e ovinos que pastam nos campos verdejantes.

 

O ponto de encontro é no próximo dia 26 de março na Porta do Mezio, às 09:30. Será um trilho por caminhos ancestrais onde se pode observar o quotidiano da população nas inverneiras.

Póvoa de Lanhoso e Gondomar e promovem candidatura da filigrana a Património da Humanidade

Os municípios da Póvoa de Lanhoso e de Gondomar assinaram, a 22 de março, um protocolo de colaboração e compromisso que visa a promoção conjunta de uma candidatura a Património da Humanidade.

relogio-joana-vasconcelos2.jpg

 

O documento foi assinado pelos respetivos presidentes, Manuel Baptista e Marco Martins, seguindo-se o registo da marca “Filigrana de Portugal” no Instituto Nacional da Propriedade Industrial, que será propriedade de ambos os municípios.

 

Também seguiu para o Ministério dos Negócios Estrangeiros um pedido de registo da filigrana no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial, “cujo intuito máximo será depois candidatar este bem a Património Imaterial da Humanidade”.

 

O protocolo prevê a «apresentação conjunta de uma candidatura tendente à certificação da Filigrana Portuguesa produzida nos dois concelhos», a «inscrição no Património Imaterial» e, ainda, a «definição em conjunto de uma estratégia de comunicação adequada aos fins em vista».

 

«A filigrana portuguesa representa a excelência da qualidade de produção manufaturada, reconhecida além-fronteiras, independentemente de ser produzida nos concelhos de Gondomar ou Póvoa de Lanhoso», assumem os dois municípios. 

 

A filigrana é uma arte milenar, muito meticulosa, exigindo dos artesãos um trabalho de minúcia muito paciente, imaginativo e de grande destreza. Trata-se de uma arte que trabalha finíssimos fios de ouro ou prata, subtilmente torcidos, que são depois aplicados a estruturas com várias formas, preenchendo-as com um rendilhado delicado, dando origem a obras de elevada complexidade, forma e riqueza estética. Os artesãos que trabalham nesta arte/ofício fazem-no, por norma, em pequenos ateliers, produzindo as peças de filigrana mais fina e mais bem elaborada em todo o mundo, destinadas maioritariamente à ornamentação pessoal, mas também à decoração de interiores.

 

A filigrana tradicional portuguesa tem dois núcleos de produção identificados territorialmente com os municípios de Gondomar e da Póvoa de Lanhoso com séculos de tradição. Os poderes políticos autárquicos devem empenhar-se na preservação, promoção e divulgação deste valiosíssimo património imaterial, bem como no incentivo à criação de valor deste setor por forma a aumentar a sua atratividade para as novas gerações.

Cerejeiras em flor, festival gastronómico e celebrações religiosas no Fundão

Município celebra a época das cerejeiras em flor e as tradições da Quaresma e Semana Santa com programas para todos os gostos.

 

Aproveitando a época das cerejeiras em flor e a Quadragésima, festival que ocorre entre 1 de março a 16 de abril e que celebra as tradições da Quaresma e da Semana Santa, o Município do Fundão convida-o a descobrir as paisagens e este ciclo de turismo religioso com uma oferta de programas para todos os gostos.

 

Destes fazem parte passeios de bicicleta e de comboio pelas cerejeiras em flor, passeios pelo centro histórico do Fundão, pela vila de Alpedrinha e pela aldeia histórica de Castelo Novo, concertos, workshops, teatros, passeios pedestres pela Serra da Gardunha, almoços convívio, entre outros.

33.jpg

 Alpedrinha

 

Simultaneamente ocorre, ao longo da Semana Santa, o festival gastronómico “Fundão Aqui Come-se Bem – Sabores da Páscoa” em vários restaurantes e pastelarias do concelho.

 

«Este ano a Quadragésima coincide com a altura das cerejeiras em flor, uma das mais bonitas do ano, pelo que é uma excelente oportunidade para visitar o Fundão. Valorizamos muito as tradições que estão associadas a esta quadra, promovendo a região enquanto local ideal para vivenciar estas tradições religiosas com uma oferta turística de experiências e de grande qualidade», refere Paulo Fernandes, presidente da Câmara do Fundão.

 

Para dormir, o concelho tem uma enorme diversidade de oferta: hotéis variados, turismos em espaço rural, alojamentos locais, parque de campismo e glamping.

 

Hotéis de Lisboa aderem à Hora do Planeta

Os hotéis Sheraton Lisboa Hotel & Spa, Lisbon Marriott Hotel, Sheraton Cascais Resort e Penha Longa Resort apoiam o evento oficial da Hora do Planeta – Concerto à Luz das Velas, que terá lugar no próximo sábado, dia 25 de março, pelas 20h00, no Parque Eduardo VII.

Capturar.JPG

 

 

Estas unidades hoteleiras juntam-se a milhões de hotéis em todo o mundo que apagam as luzes para a Hora do Planeta no dia 25, entre as 20h30 e as 21h30, com o objetivo de enviar uma mensagem forte sobre a consciência e as acções de preservação do meio ambiente.

 

Criada pela ONG World Wide Fund for Nature (WWF), que actua nas área da conservação, investigação e recuperação ambiental, a Hora do Planeta é o maior movimento da história do planeta, tendo chegado em 2016 a mais de 9 mil cidades e 178 países.

 

O Concerto à Luz das Velas conta com as vozes de Tiago Bettencourt, Raquel Tavares, André Sardet, Matias Damásio, entre outros.

 

Simultaneamente e, à semelhança de anos anteriores, estes hotéis levam a cabo várias medidas de poupança de energia durante a Hora do Planeta, as quais incluem: redução da iluminação interior e exterior dos hotéis, do número de elevadores activos e outros equipamentos operacionais, assim como acções de sensibilização junto dos colaboradores.

Alcobaça promove Rota do património cultural e do turismo sustentável

“Na Rota do Património Cultural e do Turismo Sustentável” é mais um projeto do Município de Alcobaça que (à semelhança dos Percursos Interpretativos) pretende promover o património do concelho no âmbito das Comemorações do Ano Internacional do Turismo Sustentável para o Desenvolvimento.

monumento_padeira.jpg

 

As visitas guiadas gratuitas começam a 25 de março e prolongam-se até dia 8 de julho: iniciam com “A Villa Romana de Parreitas e o Museu Monográfico do Bárrio”, no dia 25 de março; depois, no dia 22 de abril será a “Visita ao Mosteiro de Coz”; no dia 6 de maio haverá “Alcobaça - Dê lugar ao Amor”; no dia 10 de junho, “Por Aljubarrota, com Brites de Almeida” e, para terminar, no dia 8 de julho será a vez de “São Martinho do Porto, para lá da praia em época balnear”.

3º Festival do Ouriço-do-mar chega à Ericeira

Saborear o ouriço-do-mar preparado pela restauração local, descobrir as suas diversas utilizações culinárias pela mão de grandes chefs mundiais e conhecer o contexto ambiental e cultural desta espécie, é esta a proposta da Câmara Municipal de Mafra que promove o 3º Festival Internacional do Ouriço-do-mar, entre os dias 31 de março a 9 de abril, na Ericeira.

 

primage_18702 (1).png

 

Outrora denominada Ouriceira – dada a forte tradição desta vila piscatória na apanha do ouriço- do-mar – a Ericeira é uma das zonas costeiras de Portugal onde as condições são mais favoráveis ao desenvolvimento do ouriço-do-mar.

 

Depois do sucesso registado em anteriores edições, foi renovado o desafio à restauração local e durante uma semana o festival propõe uma mostra gastronómica em 24 restaurantes aderentes cujas ementas o ouriço-do-mar assume um destaque especial, quer reiventando receitas, quer ainda promovendo a forma mais simples de ser consumido: ao natural.

 

Sendo a inovação ao serviço do paladar a grande premissa deste evento, o Festival conta com a presença de vários chefs nacionais e internacionais de renome, que irão brindar os visitantes com as suas experiências mais arrojadas e saborosas envolvendo o ouriço-do-mar nas sessões de showcookings que acontecem nos sábados 1 e 8 de abril no Mercado Municipal da Ericeira.

 

António Alexandre, Chef do projeto Endògenos que promove e valoriza o ouriço-do-mar da Ericeira desde 2013, e os internacionais, Chef Justin Jennings (Austrália) e Chef Roberto Sihuay (Perú) são algumas das estrelas da gastronomia já confirmadas.

 

Para além da vertente gastronómica, a valorização do ouriço-do mar enquanto espécie endógena desta região, a sua contribuição para potenciar o turismo e os projectos de investigação científica em torno da espécie, dão o mote para as Jornadas Técnicas, com diversas atividades a decorrer, a partir do dia 1 de abril, na Casa da Cultura Jaime Lobo e Silva, localizada no centro da vila da Ericeira.

 

As jornadas irão dar especial atenção a temas como o repovoamento desta espécie marinha, a necessidade de ser criado mais conhecimento científico e de assegurar a sua difusão junto de mariscadores e pescadores, bem como a apresentação dos projetos candidatos ao Mar 2020: Ouriceira Mar e Aqua.

 

O 3º Festival Ouriço-do-mar é uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Mafra, no âmbito da sua estratégia de preservação e valorização dos produtos endógenos do território, assim como da sua promoção turística e desenvolvimento económico associado.