Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

Um superalimento chamado romã

A romã tem sido apontada como um 'superalimento' e um novo estudo do instituto suíço EPFL confirma que há razão para isso: há certas bactérias no nosso intestino que, quando entram em contacto com uma molécula presente na romã, fazem com que as células musculares se protejam contra o envelhecimento.

rom-e.jpg

 

Embora os ensaios clínicos em seres humanos ainda estejam a decorrer, a investigação em vermes nemátodos (uma espécie de lombriga) e roedores mostrou resultados promissores. 

 

«O rato e os vermes nemátodos são, em termos evolutivos, muito distantes. O facto de eles reagirem da mesma forma à mesma substância é uma boa indicação que este mecanismo é essencial à vida de todos os organismos», afirma Johan Auwerx, co-autor do estudo.

 

A investigação, cujos resultados iniciais foram publicados na revista Nature Medicine, foca-se nas mitocôndrias, que têm um papel essencial na manutenção da energia celular.

 

A romã, cujo nome científico é Punica granatum, é uma infrutescência da família das Punicáceas, originária do sul da Ásia, na Pérsia. Foi levada pelos fenícios para os países mediterrânicos, de onde se difundiu para o continente americano, chegando ao Brasil pela mão dos portugueses.

 

A nível mundial, os maiores produtores são o Afeganistão, o Irão, Israel, Brasil, EUA, Itália e Espanha, sendo esta o maior exportador europeu.

 

Em Portugal, a região do Algarve concentra cerca de 80% da área e 95% da produção total de romã do continente. A maioria da produção provém de árvores dispersas, em bordadura, sendo relativamente reduzido o número de pomares extremes. A área de cultura, que tem vindo a decrescer, é actualmente de 108 ha e a produção anual ronda as 400 toneladas.

 

As variedades mais frequentes são a Mollar, a De Elche, a Dejativa - de origem espanhola – e a Asseria. Esta última é uma variedade tradicional da região algarvia, precoce e caracterizada por bagos carnudos, vermelhos e de grainha pequena.

 

Com um poder antioxidante potente, apresentando um teor elevado de vitamina C, flavonoides, pró-vitamina A, taninos. Estas substâncias são muito promissoras na prevenção de várias patologias e ajudam a controlar os níveis de colesterol.

 

O sumo de romã tem um conteúdo em polifenóis três vezes superior ao do vinho tinto e do chá verde, substâncias que ajudam a prevenir as doenças cardiovasculares e alguns tipos de cancro.