Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

SCUT: setor do turismo lamenta não ter sido ouvido pelo Governo

A Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo (APHORT) lamenta que o Governo não tenha chamado o setor para debater as reduções das portagens nas antigas scut, considerando que o documento «não reflete todos os interesses nacionais».

Auto-estrada_A_23.JPG

 

Para a APHORT, o diploma do Governo é redutor no combate às assimetrias regionais, uma vez que "deixa de parte regiões como o Alto Minho, Douro ou Alto Tâmega".

 

«O turismo foi esquecido no momento da elaboração deste documento, que tem como suposto objetivo mitigar as assimetrias regionais e os efeitos das portagens na atividade económica e nas exportações de algumas regiões», lê-se no comunicado.

 

Afirmando que podia ter dado «importantes contributos para o documento, tendo em vista o crescimento, em termos gerais, da economia, do emprego e das exportações do país», aquela associação defende que a portaria «deveria ter incluído a criação de melhores condições de mobilidade, mitigando os efeitos das portagens entre o Aeroporto Francisco Sá Carneiro, a principal porta de entrada de turistas para as regiões norte e centro e os principais destinos a si ligados».

 

A APHORT considera que os troços da A28 - autoestrada do Litoral Norte -, entre Matosinhos e Viana do Castelo e o da A7 - autoestrada do Douro -, entre Guimarães e Vila Pouca de Aguiar, também deveriam ter sido contemplados com reduções uma vez que são «canais vitais para o acesso dos turistas que chegam via aeroporto e que pretendem visitar o Alto Minho ou as regiões do Alto Tâmega e do Douro».

 

No final, a associação alertou o Governo de que a «tarefa de 'mitigar as assimetrias regionais'» será «muito difícil de alcançar se o único olhar sobre o país continuar a ser apenas o olhar da capital».

 

Recorde-se que o Governo anunciou recentemente 15% de desconto a todos os veículos que circulem, a partir de 1 de agosto, em algumas autoestradas, vias maioritariamente localizadas no interior do país e no Algarve.