Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

Pelos passos de Fernando Pessoa em Lisboa

Capturar.JPG

 Com Costa Brochado, no Martinho da Arcada

 

«Falaram-me os homens em humanidade,

Mas eu nunca vi homens nem vi humanidade.

Vi vários homens assombrosamente diferentes entre si.

Cada um separado do outro por um espaço sem homens».

Alberto Caeiro

2.jpg

 

Texto e Fotos: Ana Clara

Fernando Pessoa tornou-se, até à luz dos nossos dias, o «poeta português e intemporal», como lhe chamou Almada Negreiros. Falar dele é sempre um exercício quase atroz para mim. Porque sou apenas uma amante devoradora da sua obra, mas não uma estudiosa. Porque conheço de cor alguns dos seus poemas e A Mensagem, mas tenho, desde sempre, medo de escrever sobre gigantes como ele.

 

1.jpg

 

Por mais dias que tenha a minha vida, jamais serão suficientes para conhecer-lhe todo o sangue que lhe corria na alma e no corpo.

 

Este sábado, 25 de fevereiro, associei-me ao Roteiro dedicado ao poeta, promovido pela Lycos – Associação para o Desenvolvimento da Excelência

 

“Lisboa pela pena e pelos passos de Pessoa”, assim se designou a viagem, conduzida pela professora Maria João Carvalho. Sete momentos e sete paragens que simbolizaram a sua vida e que todos vocês podem fazer. Não custa nada e é de uma riqueza intemporal que não se perde, que não se esgota, que nos assola. 

 

Ao contrário do que é habitual, começámos pelo fim cronológico da vida de Fernando Pessoa (no leito da sua morte, a 30 de novembro de 1935, no Hospital de São Luís dos Franceses, na Rua do Loreto) e terminamos no seu nascimento, a 13 de junho de 1888 (no n.º 4 do Largo de São Carlos).

 

Do Bairro Alto até ao São Carlos, percorremos, entre a calçada da Baixa e milhares de turistas que invadem Lisboa todos os dias, os caminhos do poeta. Na Praça Luís de Camões a paragem serviu para lembrar a mítica e aclamada A Mensagem (cujo Quinto Império é desde sempre a minha parte favorita):

 

“Grécia, Roma, Cristandade,

Europa — os quatro se vão

Para onde vai toda idade.

Quem vem viver a verdade

Que morreu D. Sebastião?”

 

9.jpg

 

Foi ali junto à estátua de Camões que recordei uma das facetas de Pessoa menos abordada, seja nas escolas ou na sociedade civil: as suas famosas cartas astrológicas

 

Fernando Pessoa fez cartas astrológicas dos seus heterónimos e de inúmeras personalidades portuguesas e mundiais. Um lado que acompanha a obra pessoana e que está presente não só em muita da sua correspondência como também da sua obra. A este propósito, e para os que tenham interesse, recomendamos a obra "Cartas Astrológicas de Fernando Pessoa", editado por Paulo Cardoso e Jerónimo Pizarro. 

 

Passando pela hoje tão turística A Brasileira, ao Chiado, recordamos a convivência do poeta com os amigos, com destaque para a correspondência com o amigo Sá-Carneiro.

 

«Quero ignorado, e calmo

Por ignorado, e próprio

Por calmo, encher meus dias

De não querer mais deles.

Aos que a riqueza toca

O ouro irrita a pele.

Aos que a fama bafeja

Embacia-se a vida.

Aos que a felicidade

É sol, virá a noite.

Mas ao que nada espera

Tudo que vem é grato»

Ricardo Reis

18.jpg

 

Descendo à Baixa, e por entre sonhos e memórias da obra de Pessoa, fomos encontrar, na Rua de São Julião a antiga firma Xavier Pinto&C.ª, o local marcante onde Pessoa recebeu, com muita dor, a notícia do suicídio do seu querido amigo Mário de Sá Carneiro, em Paris. Corria o ano de 1916.

 

No Martinho da Arcada, à Praça do Comércio, um café com o bulício de um sábado de carnaval, recordando o lado tão bom – boémio e saudosista – de Fernando Pessoa. Aqui, naquela mesa lá ao canto, muita escrita havia de sair, muitas noites de copos haviam de ficar escritas. Muitas sombras também haviam de o povoar, mais para o fim da vida, e quando o dinheiro lhe fazia tanta falta. 

11.jpg

 

12.jpg

 Parece sempre redutor tudo quanto escrevemos e falamos do poeta maior do século XX português. E mesmo depois de acabarmos a tarde no Largo de São Carlos, onde Fernando Pessoa nasceu, sentimo-nos despidos, sempre com sede se saber mais e mais da sua vida.

15.jpg

 

Por entre os dedos da sua efémera vida (faleceu aos 47), recordamos histórias daquele que foi o seu conhecido e único grande amor: Ofélia Queiroz. A sua correspondência com Pessoa é das coisas mais fantásticas que a obra pessoana deixa. Sugerimos a esse propósito as seguintes obras:

 

- Fernando Pessoa e Ofélia Queiroz – Correspondência amorosa completa. Apresentação: Richard Zenith. Editora Capivara, 2013.

- Cartas de Amor de Fernando Pessoa e Ofélia Queiroz. Edição de Manuela Parreira da Silva, Assírio & Alvim, Lisboa, 2012.

 

«Que inquietação profunda, 

que desejo de outras coisas, 

que nem são países, nem momentos, 

nem vidas»

Álvaro de Campos

 

Esta é apenas uma partilha da obra e vida infinita de Fernando Pessoa. E este é apenas um Roteiro que sugerimos a todos. Contudo, a sua obra e vida é inesgotável. Deixamos, por isso, algumas fontes onde podem recorrer, para quem se interessa pelo tema:

 

Arquivo Pessoa

- Casa Fernando Pessoa

- Roteiro Pessoano mais completo

 

E como Pessoa nos surpreende a toda a hora, recomendamos ainda a Carta da Corcunda ao Serralheiro, uma prosa maravilhosa, da autoria do único heterónimo feminino conhecido (Maria José), aqui lida por Maria do Céu Guerra. 

 

Nota: Agradecimentos ao Luís Bettencourt, Mário Moura e à professora Maria João Carvalho, que tão bem nos guiou nesta tarde inesquecível. 

16938945_10210041947943739_7508026224638043276_n.j

 

Foto de grupo, no Largo de São Carlos, no final do Roteiro. Foto: Direitos Reservados. 

 

 Para ler também aqui.