Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

Ílhavo: volta ao mundo da cerâmica da Vista Alegre

O labor pode atualmente não ser tão intenso como aquele a que se assistia no princípio do século XIX. Contudo, em Ílhavo, na fábrica de porcelana Vista Alegre, trabalham ainda hoje mais de 600 pessoas. Contribuem, por ano, para uma produção de 15 milhões de peças em porcelana, cristal e vidro. Visitámos a primeira empresa nacional de porcelana, fundada há 190 anos. O complexo conta, ainda, com um Museu, o bairro operário ali criado e ativo até 2010 e a Capela da Nossa Senhora da Penha de França, padroeira da Vista Alegre.

7e59e835-00cd-43fc-aae9-c5786b7be942.jpg

 

Texto e Fotos | Ana Clara

 

A algumas dezenas de quilómetros do centro da cidade de Ílhavo está situada a conhecida Vista Alegre Atlantis, numa antiga quinta do bispo de Miranda, D. Manuel de Moura Manoel, inquisidor-mor e reitor da Universidade de Coimbra em meados do século XVII, e sepultado na Capela da Nossa Senhora da Penha de França, também no interior do complexo da fábrica, e santa padroeira da Vista Alegre.

 

Quando entramos na propriedade, abre-se um mundo que nos faz recuar quase duzentos anos em vários aspetos e nos transporta ao início do século XIX. Foi precisamente a 1 de julho de 1824 que José Ferreira Pinto Basto teve o «sonho visionário» de fazer deste negócio «um sucesso» e que viria a registar «uma notoriedade exemplar», nota Filipa Quatorze, responsável de Marketing da empresa, que nos acompanha na visita ao complexo. 

 

Os jogos de luzes e de sombras entrecortadas pelas folhas das árvores no exterior, que povoam os ambientes entre a capela, o bairro operário que ali funcionou até 2010 (ano em que foram despejados os últimos trabalhadores reformados que ali residiam) e a fábrica, dão um ambiente peculiar ao local, que, ao final da tarde, com o sol a pôr-se, ganha outra cor.

 

Esta reportagem começa precisamente pela visita ao mundo de Pinto Basto precisamente pela fábrica, onde atualmente trabalham mais de 600 pessoas.

 

1d690479-1e8b-4a4f-b8f4-db8617a06118.jpg

 

Filipa Quatorze, diz-nos que a cerâmica Vista Alegre distingue-se por determinadas características como «a sua brancura, translucidez, resistência mecânica e uma sonoridade própria».

 

A primeira fase de todo o processo, que combina manufatura com tecnologia de ponta, constitui o chamado «circuito tradicional de produção» e designa-se por «conformação por via líquida», explica Filipa, adiantando que se trata de uma técnica de produção que usa a pasta de porcelana no seu estado líquido.

 

«É a primeira fase do processo, é uma técnica tradicional, e tem como objetivo produzir peças de formas irregulares ou peças ocas, como terrinas, caixas ou açucareiros, por exemplo», vinca a responsável da Vista Alegre Atlantis.

 

Depois todo o processo passa pelos moldes, em gesso, salientando a forma do objeto, seguindo-se a chamada tubagem onde «se enche de pasta líquida o molde».

 

As peças seguem depois para a roda de oleiro e, «depois para uma zona de estufa, para secagem. De seguida dá-se o acabamento, onde são retiradas as imperfeições e irregularidades e se uniformiza a superfície das peças».

 

«Depois voltam à linha e são colocadas em prateleiras e carros e seguem para o forno», acrescenta Filipa.

 

A maioria das peças é produzida de modo tradicional, sendo que a tecnologia de ponta também está presente nalguns processos, «em linhas mais direitas e simples», como em objetos como pratos, travessas e chávenas. «A Vista Alegre também se caracteriza por isso, pela combinação do tradicional com o moderno, adaptando-se à evolução da própria indústria também».

 

Museu, bairro e capela:

 

Seguimos depois para o Museu da Vista Alegre, inaugurado em 1964, e situado ao lado da Fábrica. Um projeto, adianta Filipa Quatorze, que «é também a concretização do que se vinha delineando desde o início da laboração da fábrica».

 

Em várias salas o visitante pode contemplar a «evolução histórica da porcelana» ao longo de quase 200 anos e «apreciar peças em vidro e cerâmica, as mais representativas da empresa», desde a sua fundação até aos dias de hoje.

 

Os núcleos principais do museu comportam as coleções em cristal e vidro, pó de pedra e porcelana, provenientes da produção a fábrica desde 1824 até à atualidade. Há uma sala dedicada ao fundador José Pinto Basto e o contributo que deu para a fundação da primeira empresa a fabricar porcelana em Portugal.

f5c1dd03-05ee-4415-b43e-0e0ee87e91ae.jpg

 

Um outro espaço é dedicado ao período do vidro (que representa os primórdios da fábrica) e outro espaço onde se observam as obras que resultaram nos primeiros ensaios de porcelana.

 

O chamado período de «esplendor de ouro» também tem destaque neste Museu, sendo considerado o momento áureo da produção da Vista Alegre, quando a empresa contratou Victor Rousseau, um francês com qualidades ímpares de desenhador e pintor, e que foi também responsável pela formação de gerações de mestres da Vista Alegre. A arte na pintura cerâmica, o desenho e a arte nova aplicada à cerâmica são outras componentes do espaço.

 

Ao lado da Fábrica e do Museu, está situado o bairro operário da Vista Alegre, um dos raros casos em Portugal, que resultou de um projeto social privado que criou uma «autêntica aldeia industrial».

 

A sua construção começou pouco depois da fundação da fábrica, e aqui moraram durante décadas os operários da fábrica e as suas famílias. Havia assistência médica, um colégio, corpo de bombeiros e várias atividades escolares e culturais para as crianças.

 

Uma forma, resume Filipa Quatorze, de «sedimentar a fixação populacional» e que, ao mesmo tempo, «marcava uma unidade ímpar» no desenvolvimento industrial da região e do país.

 

A visita termina depois na Capela da Nossa Senhora da Penha de França, padroeira da Vista Alegre, e mandada edificar em finais do século XVII pelo Bispo de Miranda, D. Manuel de Moura Manoel. Um edifício imponente e que se destaca pela fachada principal que apresenta uma imagem em pedra trabalhada da Nossa Senhora da Penha de França.

 

No interior destacam-se os azulejos setecentistas, os retábulos em mármore e talha dourada e as abóbadas decoradas com frescos do tempo da sua construção.

Importa recordar que em 2001, o Grupo Vista Alegre fundiu-se com o grupo Atlantis, sendo que em 2009, a empresa foi adquirida pelo Grupo Visabeira. Produz atualmente cerca de 15 milhões de peças por ano (em porcelana, cristal e vidro, nos segmentos de mesa, decorativo, bar e doméstico) exportando os seus produtos para mais de 60 países em todo o mundo.