Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

I Festival Contos do Mundo chega a Beja

Mais de trinta artistas, músicos e contadores de histórias, de dez nacionalidades, estarão em Beja entre os dias 24 e 28 de agosto, numa programação dedicada à arte de contar histórias que invade a cidade e arredores. Mais de cinquenta sessões de contos, espetáculos de teatro e de música ao longo de cinco dias bem preenchidos.

primage_16873.png

 

Na primeira edição O Festival de Contos do Mundo terá o coração no Jardim Público e no Centro Histórico, desdobrando-se pelas freguesias rurais – com os Contos d’Ir Ò Fresco – e levando ainda os contos a lares e centros de dia.

 

O Festival traz, pela mão de contadores de histórias, artistas e músicos do mundo, palavras e sonoridades que nos surpreendem pela semelhança ou pela diferença, que nos falam de outros lugares e de outros sonhos nos quais somos capazes de nos rever na diversidade. São imaginários que nos chegam de Portugal, de Espanha, de Itália, de Marrocos, do Mali, de São Tomé, de Cuba, da Argentina, do Brasil e do Japão.

 

Entre muitas outras atividades, a programação propõe, nos fins de tarde, sessões de contos e espetáculos dirigidos a públicos de todas as idades pelas sombras e recantos do Jardim Público.

 

Entre uma atividade e outra, é possível visitar as instalações/exposições e o Mercado Andarilho, com artesãos e livreiros.

 

Para as noites frescas do festival, a programação propõe a cumplicidade das sessões de contos passadas na companhia dos contadores de histórias que chegam de toda a parte. Entre as muitas sessões que nos vão aconchegar durante as noites do festival, destacam-se: as palavras de Manuel Garrido e a música da kora de Ibrahim Diabaté, que nos trazem uma grande epopeia mandinga na noite do dia 24; o passeio do Coro dos Sonhadores – desde o Castelo até o Jardim Público onde terminaremos a noite de 25 em roda com Estes contos que nos unem; as histórias berberes de Mohamed M. Hammu; a delicadeza das histórias com objetos do espanhol Rodorín na noite de 26; o encontro das tradições portuguesa, brasileira, cubana, são tomense e japonesa pela mão de Vitor Fernandes, António Fontinha, José Mauro Brant, Cláudia Fonseca, Corália Rodriguez, Ângelo Torres e Yoshi Hioki, a partir de 24 de Agosto.

 

A programação propõe ainda experiências artísticas que cruzam muitas linguagens e olhares como é o caso de Pasta e Basta – Um mambo italiano, espetáculo de Giacomo Scalisi e em co-criação com Miguel Fragata e Afonso Cruz que se apresenta nos dias 25, 26 e 27 e que estreia em Beja, no dia 28, uma versão para os mais novos, numa sessão especial para crianças a partir dos 3 anos.

 

As apresentações de livros, de projetos, os espetáculos de poesia, as pequenas exposições e instalações convidam a circular entre o Teatro Pax Julia, a Biblioteca e o Jardim, na procura destas vozes e destas histórias.

 

O Festival de Contos do Mundo encerra a 28 de Agosto com duas vozes de forte identidade: as histórias de Jorge Serafim e as músicas de Celina da Piedade, num serão de domingo, já quase a cheirar a fim de férias, mas remoçados com tantas vozes, histórias e sonoridades.

 

Uma iniciativa da Câmara Municipal de Beja co-financiada pelo Alentejo 2020 através do FEDER.