Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

Casa dos Patudos: uma referência do património nacional resgatada

Legado do político republicano José Relvas, a Casa dos Patudos, em Alpiarça, foi resgatada, graças aos fundos comunitários, do declínio em que havia entrado na década de 1990, sendo hoje referência do património nacional.

 

CasaDosPatudosMuseuDeAlpiarçaFoto.jpg

 

Com o primeiro projeto de reabilitação apresentado em 1998, no mandato do socialista Joaquim Rosa do Céu, a casa que José Relvas (o homem que proclamou a República da varanda da Câmara Municipal de Lisboa em 05 de outubro de 1910) mandou construir no início do século XX, com desenho do arquiteto Raúl Lino, viu travada a degradação que estava a ser provocada pelas infiltrações de água a partir da cobertura.

 

Começou aí um lento processo de reabilitação concluído em 2013 e que deu à Casa dos Patudos não só a reabilitação do edifício, mas, também, um novo percurso expositivo com a abertura de espaços até aí fechados ao público e o restauro de muitas obras, mostrando a coleção de arte reunida por José Relvas ao longo da sua vida.

 

«Abriram-se novos circuitos museológicos, proporcionando uma nova visão pelo espaço privado da casa e valorizando a coleção de arte com mais de 8.000 peças», diz à Lusa o conservador do museu, Nuno Prates, que realça as distinções que têm sido atribuídas a um património que se tornou 'ex-libris' do concelho.

 

Referindo o «aumento significativo» do número de visitas desde 2012, Nuno Prates frisa a «importância enorme para o concelho» de um espaço que se tornou «uma referência na museologia nacional e internacional».

 

Mário Pereira, presidente da Câmara Municipal de Alpiarça em cujos mandatos (iniciados em 2009) se concretizou o projeto começado pelos seus antecessores, só lamenta que o município (entidade que recebeu o legado de José Relvas) não tenha os meios para a promoção e divulgação que o património que herdou merece.

 

Para o autarca, a divulgação nacional e internacional da Casa dos Patudos tem de ser articulada com outras ofertas da região e do próprio concelho, como a Reserva Natural do Cavalo do Sorraia, a barragem artificial criada na década de 1980, as estações arqueológicas, a aldeia avieira do Patacão e a praia fluvial (projetos antigos por concretizar por falta de meios), aliados ao vinho e à gastronomia, fazendo com que os visitantes «fiquem mais tempo em Alpiarça».