Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

Portugal à Lupa

Há 13 anos a calcorrear o País como jornalista, percebi há muito que não valorizamos, como devíamos, o que é nosso. Este é um espaço que valoriza Portugal e o melhor que somos enquanto Povo.

Carpeada mostra usos e costumes das gentes de Castro Laboreiro

No próximo dia 22 de fevereiro, os utentes do Centro de Dia de Castro Laboreiro, em Melgaço, vão recriar uma Carpeada – transformação da lã depois de tosquiada e lavada, até à obtenção do fio.

Capturar.JPG

 

Uma representação de usos e costumes das gentes de Castro Laboreiro que acontece na Casa da Cultura, pelas 14h30.

 

«Antigamente, quando ainda o comunitarismo era uma prática constante, os vizinhos juntavam-se em casa uns dos outros para fazerem o processo de transformação da lã que, depois de lavada e seca, era preparada até obter o fio», conta Elisabete Lima, organizadora da ação, confessando que «durante a CARPEADA havia momentos de pausa onde as pessoas dançavam e no final tinham um pequeno lanche: pão com chocolate e uma maçã».

 

Antes da recriação do momento, pelas 14h45, os utentes irão visualizar um documentário sobre Castro Laboreiro na década de 70. E para cumprir a tradição, a meio da Carpeada haverá baile entre os participantes.

 

No âmbito desta tradição, a Casa da Cultura tem também patente a exposição temporária ‘O Ciclo da Lã’, até ao dia 1 de março.

 

A mostra representa as fases do processo e transformação da lã: «a lã desde sempre que está associada às zonas de montanha e aos pastores, e em Melgaço não é exceção», afirma Elisabete Lima.